Resíduos da Construção Civil

Resíduos de Construção e Demolição (RCD), também muito conhecidos como “entulho” são, segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, os resíduos gerados nas construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil em geral, incluindo também aqueles gerados pela preparação e escavação de terrenos. Todos esses resíduos são de responsabilidade do gerador dos mesmo, seja pessoa física, jurídica ou pública.

A coleta desse tipo de resíduo aumentou significativamente em todas as regiões do país, esse aumento representou um crescimento de 4,6% na coleta de RCD’s em todo o Brasil no ano de 2013. Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil para o ano de 2013 da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), na região Nordeste, os números indicam um salto na geração de 20.932 em 2012 para 22.162 toneladas/dia de RCD’s coletados em 2013. Contudo ainda é habitual e recorrente observar este tipo de resíduo lançado e disposto em terrenos baldios, encostas, áreas de periferias de bairros das cidades e até mesmo nas margens de rios, desconsiderando os impactos ocasionados e algumas substâncias perigosas que existem nestes.

100_1977

Fonte: http://www.cidadedemocratica.org.br/topico/1704-implantacao-de-usinas-de-reciclagem-de-residuos-de-materias-oriundos-da-construcao-civil

A resolução do CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente) nº 307 de 2002, alterada pelas resoluções CONAMA 348 de 2004; 431 de 2011 e 448 de 2012, é quem estabelece as diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos RCD’s, visando a minimização dos impactos ambientais. Em seu artigo 4º, essa resolução estabelece que os geradores deverão ter como objetivo prioritário a não geração de resíduos e, secundariamente, a redução, a reutilização, a reciclagem, o tratamento dos resíduos e a disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.

O Plano Estadual de Resíduos Sólidos que está sendo elaborado em Alagoas, trará uma perspectiva clara de que os RCD’s não devem ser tratados apenas como rejeitos, pois os Resíduos de Construção e Demolição classificados como “Classe A”, representam aproximadamente 80% deste material e são compostos basicamente produtos reaproveitáveis como restos de alvenarias, argamassas, concreto e asfalto, além do solo, que podem servir de insumos para a reutilização em outras obras. Isso significa um potencial ganho econômico que e, portanto, a importância de se viabilizar o reaproveitamento deste material. Também existe os RCD’s “Classe B”, que representam pouco menos de 20% do total deste tipo de resíduo e são facilmente recicláveis ou reaproveitáveis pois são compostos por embalagens em geral, tubos, fiação, metais, madeira e o gesso.

classificacao

Fonte: http://www.cacambascapital.com.br/legislacao/3-classificacao-dos-residuos-da-construcao-civil.html

O reaproveitamento, reutilização e reciclagem desses materiais são fundamentais para economia do município ou até mesmo do estado, pois além de ganhos econômicos traz também ganhos ambientais em todo o seu sistema, visto que estas técnicas ajudam a diminuir a grande quantidade de RCD’s nos aterros, aumentando então a vida útil destes, além disso, o transporte deste tipo de resíduo torna-se muito caro em razão de seu volume e seu peso.

É de grande importância a implementação de uma gestão limpa e eficiente dos RCD’s para que se gere economia e que possamos ter saúde ambiental e consequentemente ter saúde física.

Equipe PERS Alagoas

3 comments on “Resíduos da Construção Civil

  1. DIEGO

    Boa noite,

    Vocês poderiam passar mais informações quanto ao PGRCC no Brasil nos dias de hoje?
    Estou fazendo um trabalho final do curso de Engenharia Civil e toda informação será bem vinda!

    Att, Diego

    Reply
  2. Arthur

    Bom dia, gostaria de obter mais informações atuais sobre a destinação dos resíduos de construção civil em Maceió.

    Reply

Deixe um comentário

javaversion1
Warning: passthru() [function.passthru]: Cannot execute a blank command in /home/storage/a/13/2c/floramengenharia/public_html/wp-content/themes/equestrian/footer.php on line 3